terceiriza culpas e problemas

Você terceiriza culpas e problemas?

Se você terceiriza culpas e problemas, você está fazendo mal para si mesmo. Entenda o quanto isso pode fazer mal e como você pode evoluir.

Quando um político é citado numa delação, a sua primeira reação é dizer que não tem culpa de nada. E a gente, como todo cidadão que quer ver o país crescer, critica e acusa, no mínimo, o político de cara-de-pau. Isso faz todo sentido e é uma reação natural, mas às vezes a gente faz igualzinho e terceiriza culpas e problemas.

E essa terceirização pode acontecer de diversas maneiras. Citarei 3 aqui.

1. TERCEIRIZAÇÃO DA CULPA POR VITIMISMO

Tem gente que adora se fazer de coitado, vítima de tudo o que acontece ao seu redor. É como se a pessoa vivesse naquele filme Show de Truman onde todos os habitantes da Terra estão mancomunados em “aprontar” para tal pessoa.

Nesse caso, toda vez que nos fazemos de vítima, afirmamos um complô contra gente, a gente a) não assume a culpa e, ainda por cima, b) passa a batata quente pra alguém. Ou seja, você não tenta evoluir e ser uma pessoa maior e ainda faz mal para outra pessoa.

Meu psicoterapeuta sempre dizia que somos, no mínimo, metade culpados de alguma coisa que fizeram de mal para gente. E isso me ajudou a enxergar as situações de conflito com outras pessoas por outra perspectiva.

Portanto, assumir postura de vítima e sempre buscar culpados impedem a sua evolução e te fazem apenas fugir e machucar outras pessoas.

2. TERCEIRIZAÇÃO DO PROBLEMA POR fantasias

Quando estamos em uma situação limítrofe, daquelas de não saber mais o que fazer, sem alternativas, sempre tem uma pessoa que nos diz “mas que zica, você tem que se benzer”. É um ditado popular que, se levado muito a sério, contribui para a terceirização de problemas por fantasias.

Não é incomum a pessoa, incomodada com determinada situação, buscar um culpado imaginário. “É um encosto, é uma entidade do mal” – essa pessoa poderia dizer e, determinada, vai até um local de espiritualidade (sem iniciação ou conhecimento), já praticamente dizendo o que quer ouvir. Ou seja, geralmente a pessoa já vai lá dizendo que tem um “encosto” e que está disposta a fazer qualquer coisa para retirá-lo.

Eu, particularmente, no creo en las brujas. Mas, de qualquer forma, mesmo que acreditasse MUITO, sabemos que nenhum centro espiritualizado sério sai justificando qualquer problema como encosto. Mas que é fácil dizer que é, ah, como é fácil. Por outro lado, é inegável e já provado cientificamente que, quem tem fé em alguma coisa/alguém, consegue lidar com as adversidades da vida de maneira mais leve.

3. TERCEIRIZAÇÃO DO PROBLEMA POR DEPENDÊNCIA DE OUTRA PESSOA

Quem terceiriza culpas e problemas dessa forma geralmente encontrou alguém que submeteu-se às suas vontades. E, dessa forma, consegue fazer “gato e sapato” pedindo para sempre resolver um probleminha aqui ou ali. Pode ser uma relação de mãe e filha, pode ser marido e mulher, pode até ser aquele chefe que vampiriza o seu colaborador.

O grande ponto aqui é que a relação nem sempre se torna saudável porque a) a pessoa não assume os seus problemas e culpas e b) acaba sempre buscando artifícios para manter a outra pessoa, a quem é dependente, à sua mercê. E nesse caso, as moedas de troca podem ser das mais simples até às mais perversas, desde o beicinho de não ter seu desejo atendido e até alguma chantagem ou ameaça.

—-

Em todos os três casos, quem terceiriza culpas e problemas acaba desperdiçando uma inestimável oportunidade de aprender, crescer e evoluir. Porque, se por um lado assumimos a responsabilidade de algo, humildemente tentamos aprender com nossos erros e  evoluir com isto; por outro lado, o sabor da vitória, de uma conquista ou do mais simples problema resolvido, é muito mais gostoso.