ansiedade procrastinação

O lado bom da ansiedade #4 – O fim da procrastinação

Ansiedade é muito ruim. Mas, como tudo na vida, tem seu lado bom.

É normal sentir-se ansioso em relação ao que vai acontecer no futuro ou o que se tem programado para realizar. Comigo, é um grande led que liga no cérebro e, quer eu queira, quer não, aciona a ansiedade e me avisa que preciso programar algo, repensar algo ou FAZER algo.

Ou seja, existe a ansiedade em relação aos acontecimentos futuros e aos acontecimentos imediatos. Neste último caso, a ansiedade tem o papel fundamental de nos motivar a dar cabo à procrastinação.

Como assim?

Eu, particularmente, tenho quase que um monitor que me avisa quando tenho muitas atividades a realizar. E se eu tento procrastinar, eu começo a sentir os sinais da crise de ansiedade e da síndrome de pânico, ou como quiserem chamar.

Então eu aprendi que a melhor maneira de evitar estes sinais de ansiedade é controlar minhas atividades. É fazer uma listinha, uma “to do list”, levantar a cabeça e pôr a mão na massa. E o bem-estar vem quando aquela lista de atividades é toda riscada. Eu vejo prazer em não procrastinar, em fazer as coisas acontecerem. Sei  que a ansiedade tá ali pertinho, de canto de olho, esperando para atacar, mas eu tento não dar a mínima margem.

E se tem muita coisa para fazer?

Daí eu negocio. A gente tem que negociar consigo mesmo constantemente e ligar sobre o que é mais importante, o que é mais urgente e o que é mais grave para realizar. Seja em atividades de trabalho ou do dia-a-dia, a gente tem  que negociar. Ou seja, se o sinal amarelo aparece, é preciso diminuir a carga do voo e sim, abrir mão de certas coisas. Isto não é demérito nenhum, e sim um lance estratégico: é melhor dar um passo para trás, para, logo após, dar dois passos à frente.

Então, se você é uma pessoa que está com ansiedade e é “un poquito” procrastinador, olha como a ansiedade pode te incentivar a ser mais organizado e ágil nas coisas. Mesmo que seja pela “hard way”, mas o papel deste blog é de exatamente encontrar o “bright side” da ansiedade. Valeu aí.